#Investimentos
Os melhores investimentos para quem tem pouco dinheiro
9 de março de 2020

Há um tempo existia um tabu de que investimento era coisa de pessoas ricas, de que só milionários ou grandes entendedores de economia poderiam fazê-lo e, assim, multiplicarem seu capital. Ultimamente esse pensamento tem sido desmistificado, mas ainda hoje, apesar de toda popularização do tema através dos canais nas redes sociais, por exemplo, tem muita gente que insiste em seguir acreditando nisso. Uma parte porque se acomodou, outra porque não busca fontes seguras para se informar, havendo também quem prefira não se arriscar no terreno um tanto quanto “desconhecido”. Porém, é importantíssimo ficar de olho para não perder oportunidades valiosas de dar aquela guinada na vida financeira.

Você já parou para pensar que não sabemos como estará a economia daqui a uns anos e o que será da previdência social quando for a nossa vez de se aposentar? Pois é! São mais que válidas quaisquer que sejam as medidas seguras de você criar a sua própria garantia de um futuro estável e independente. E a boa notícia é que tem investimento para tudo quanto é bolso e gosto, dependendo da sua disponibilidade e do objetivo. Ou seja, investir é, sim, uma opção também para quem não tem muita grana.

Atualmente, aqui no Brasil, acredite, já se pode investir com pouco dinheiro. E o melhor: é possível realizar investimentos com bastante comodidade através de pesquisas rápidas e alguns cliques no seu smartphone ou computador, inclusive. Agora que essa ideia já está um pouco mais consistente na sua cabeça, vamos à parte mais prática.

Pronto para começar a investir hoje? Sim, não é exagero. É possível começar – literalmente – agora!

O primeiro passo é entender o que você quer fazer. Considere seus objetivos financeiros e qual é o seu perfil investidor, pois existem boas opções de investimento com diversos níveis de risco e de rendimento. Algumas perguntas permitem traçar um panorama mais exato sobre você, como qual a quantia que você tem para investir? Qual sua tolerância para o risco? Seus objetivos são a curto, médio ou longo prazo? Baseando-se nas suas respostas, a recomendação de investimentos muda para se adaptar às suas possibilidades. Para quem tem pouco dinheiro e pouca experiência na área, as opções mais indicadas são as que trazem menos risco, mais liberdade nas operações de retirada e menos trabalho na gestão das transações. E, sim, elas existem.

O Tesouro Direto é o sistema de negociação do Tesouro Nacional, órgão do Ministério da Fazenda, e se divide em 3 tipos: os Prefixados, os Pós-fixados indexados ao IPCA e os Pós-fixados indexados à taxa Selic. Há quem diga, trocando em miúdos, que nada mais é do que emprestar dinheiro para o governo em troca de rentabilidade – ele disponibiliza aos investidores a compra e venda de títulos públicos. Tudo o que você precisa para começar a investir é o valor mínimo de R$ 30,00 e uma conta aberta em uma corretora de valores, algumas são gratuitas, inclusive disponibilizando a opção de fazer investimentos até por aplicativos. O Tesouro Direto tem opções que vão desde as que funcionam como reserva de emergência até as indicadas para quem quer juntar dinheiro para os filhos, aposentadoria, etc. O Tesouro SELIC é perfeito para você que está com pouca grana e/ou que não sabe onde investir, porque é o mais simples, rende mais do que a poupança e independentemente do que aconteça, nunca fará você perder dinheiro. Nele, você ainda pode fazer retirada – parcial ou total – do dinheiro a qualquer momento.

Outra opção são os Fundos de Investimento, que muito provavelmente o seu banco vive indicando. São ideais para quem tem pouco dinheiro a fim de investir, mas que gostaria de fazê-lo em aplicações que não têm prazo de vencimento e que contam com liquidez diária. Eles reúnem recursos de um conjunto de investidores e todo o retorno do fundo é distribuído entre eles. Funcionam como um condomínio onde os aplicadores (cotistas) comungam dos mesmos direitos e das mesmas obrigações, contando com a comodidade de ter um profissional altamente qualificado fazendo a gestão dos seus investimentos. A regulamentação é feita pela CVM e pela ANBIMA (associação de entidades de mercado), órgãos responsáveis por classificar e fiscalizar as atividades. Há diferentes tipos de fundo, como Renda Fixa, Ações e Multimercado. A partir de R$ 100,00 você já pode começar a investir. É importante buscar uma opção que se encaixe nas suas expectativas como investidor.

Tem também o famoso CDB (Certificado de Depósito Bancário) que nada mais é do que um título emitido pelos bancos para captar mais recursos. Ao comprar um CDB, você empresta dinheiro para a instituição financeira que, por sua vez, usa-o para emprestar a outros clientes e você passa a receber uma remuneração por isso. O valor mínimo para investir nesta opção varia, mas em instituições financeiras de pequeno e médio porte já se consegue realizar a partir de R$ 100,00. Nas maiores, normalmente, a partir de R$ 500,00. O CDB tem a mesma segurança que a caderneta de poupança e o retorno pode ser até o dobro, desde que os investimentos sejam acima de R$ 1000,00. Apesar de muitos CDB’s oferecerem liquidez diária, vale ressaltar que as melhores remunerações são obtidas a longo prazo. Ou seja, não é o tipo de aplicação ideal para ser usada também como reserva de emergência. É aquela regrinha básica de mercado financeiro: quanto maior o prazo, maior o rendimento.

E para encerrar nossa listinha de sugestões de como aplicar seu dinheiro em sintonia com os seus objetivos, não podíamos deixar de falar sobre o RDC, que, de forma simples, é o CDB do cooperativismo. Além das características citadas acima, ele ainda pode proporcionar uma maior rentabilidade devido à distribuição dos lucros da cooperativa, benefício marcante de instituições financeiras como a Sicredi Recife. Ele é ideal para quem quer investir contando com uma rentabilidade maior que a poupança, liquidez diária (com carência mínima de 30 dias) e com a garantia do Fundo Garantidor do Cooperativismo. O RDC é uma opção exclusiva de instituições financeiras cooperativas como a Sicredi Recife, que há mais de duas décadas segue transformando a vida financeira de milhares de associados.

Viu?

Para cada perfil e conjunto de objetivos, há uma opção que mais se encaixa e isso independe do fato de você ter pouco capital para investir. O importante é ampliar a visão para além da aplicação na poupança, pois é assim que você se aproximará, cada vez mais, de conquistar uma melhor rentabilidade para o seu dinheiro. Informe-se, planeje, organize as finanças, busque os melhores investimentos e… invista!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários

Este texto possui 0 comentário(s)