#Open Finance
Entenda o compartilhamento de dados do Open Finance
29 de novembro de 2021

Open Finance, que é a evolução do Open Banking, parte da ideia de que as pessoas são detentoras de seus próprios dados financeiros. Dessa forma, o usuário é quem decide com quem compartilhar os seus dados em uma jornada que é feita no banco de origem.

iniciativa do Banco Central possibilita o compartilhamento de informações sobre produtos e serviços entre as instituições reguladas e, também, tanto informações individualizadas quanto o histórico financeiro do usuário, mediante consentimento, em acordo com as disposições da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).

A fase 1 do Open Banking Brasil seguiu o princípio de que as instituições financeiras devem partilhar seus dados com toda a transparência de um sistema financeiro aberto, oferecendo mais liberdade no acesso às informações sobre produtos, serviços, canais de atendimento e relacionamento.

Já a fase 2 prevê o compartilhamento de dados relacionados a contas corrente e poupança, cartão de crédito e operações de crédito. É nela que entra a jornada de compartilhamento de dados. Mas quando os usuários vão poder compartilhar seus dados?

Jornada de compartilhamento de dados

Para garantir a segurança e confiabilidade do Open Finance, o Banco Central estabeleceu que o compartilhamento de dados pelo usuário será disponibilizado de forma gradual. A previsão é de que até o final de novembro todos possam acessar pelo ambiente digital do Sicredi ou de qualquer outra instituição financeira participante do Open Finance.

Somente o associado pode iniciar o compartilhamento de seus dados, selecionando o objetivo desejado, por exemplo, o aumento de limite do cartão de crédito. É um processo que você inicia pela instituição de destino, que receberá os seus dados, e passa pela instituição de origem, aquela que enviará seus dados conforme sua autorização. O sistema integrado do Open Finance é seguro e os dados são compartilhados apenas com o consentimentoautenticação e confirmação seguindo a Lei Geral de Proteção de Dados, Lei nº 13.709, de 14 de agosto de 2018.

Lembre-se de que todo esse processo de compartilhamento é feito nos ambientes digitais oficiais das instituições financeiras. Não existe um aplicativo exclusivo do Open Banking. E não se preocupe, você pode encerrar o compartilhamento de dados a qualquer momento pelos canais digitais.

A inovação continua nas próximas fases

A evolução continua na fase 3, que abarca pagamentos via PIX e deverá começar em breve. O Open Finance vai tornar o pagamento pelo PIX ainda mais ágil, prático e seguro, por exemplo, nas compras on-line.

Na fase 4, o Open Banking evoluirá para o Open Finance. Assim passará a incluir não somente bancos, cooperativas e fintechs, mas passa a englobar outras instituições financeiras participantes, caso de corretoras de seguro, plataformas de investimento e fundos de pensão e previdência. Assim como o Sicredi, que oferece experiências para além das bancárias e com segurança.

A tecnologia está evoluindo constantemente e o Sicredi acompanha esse movimento com transparência e controle. Reforçamos que o Open Finance parte do entendimento que os dados pertencem ao usuário, podendo levá-los a instituição financeira que desejar com maior facilidade.

Ainda temos algumas fases para percorrer de acordo com o cronograma estabelecido pelo Banco Central, que pode sofrer alterações, mas fique tranquilo. Nossa página sobre o Open Finance estará sempre atualizada para você ficar por dentro de cada uma das etapas, e você ainda pode optar por receber e-mails notificando cada uma das novidades.

Gostou deste conteúdo? Continue acompanhando as publicações no nosso blog e fique por dentro de tudo o que acontece no Open Finance.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comentários

Este texto possui 0 comentário(s)